sábado, 23 de janeiro de 2016

Benfica explica a recente polémica em torno da venda de Bernardo Silva


Os jornais, nesta semana, explodiram com notícias dos supostos milhões que não foram parar ao Benfica, no negócio da venda de Bernardo Silva ao Mónaco. 

Gerou se um certo ruído... e os antis apressaram se a comentar que afinal, o Benfica não fazia negócios assim tão bons.. isto que para eles, lhes dá uma satisfação que vocês nem imaginam!

Face a estes eventos, o Benfica decidiu esclarecer esta situação, no seguinte comunicado:

«Face ao ruído gerado por precipitação e total desconhecimento de quem tem responsabilidades editoriais em Portugal, mas desconhece em absoluto o funcionamento do sistema financeiro, a Benfica SAD vem esclarecer que os documentos divulgados durante o dia de hoje em relação ao contrato e pagamento do jogador Bernardo Silva são verdadeiros e ilustram apenas uma vulgar operação financeira à semelhança de outras já feitas por esta e muitas outras sociedades desportivas, em Portugal e no estrangeiro. 

Bastava alguma prudência e uma análise menos tosca dos documentos e ter-se-ia evitado escrever barbaridades como “os milhões de Bernardo Silva não foram para a Luz” e outras semelhantes que encarnam um jornalismo tabloide sem qualquer preocupação com o rigor da informação e, pior, sem o cuidado de sequer tentar um contacto para esclarecimento dos factos.
Bernardo Silva foi vendido ao AS Monaco Football Club em janeiro de 2015 por 15.750.000 euros, em pagamentos fracionados até junho de 2016.

Considerando os prazos de liquidação previstos no contrato de alienação dos direitos do atleta, a Benfica SAD cedeu por antecipação a totalidade dos créditos junto de uma entidade financeira com sede em Londres (XXIII Capital Limited), recebendo, dessa forma e antecipadamente, a totalidade do valor acordado (15.750.000 euros).

Tendo antecipado a totalidade dos créditos e tendo comunicado ao AS Monaco essa mesma cedência de créditos, à medida que se vencem as prestações acordadas, o clube monegasco vai, naturalmente, pagar à XXIII Capital Limited.

Trata-se de uma simples operação financeira, que é habitualmente realizada por inúmeros clubes ou sociedades desportivas por toda a Europa que pretendem descontar os valores por receber dos contratos celebrados, no âmbito da política de gestão de tesouraria de qualquer empresa.

Lamenta-se o ruído gerado e aconselha-se, de futuro, maior prudência na abordagem de matéria que, pela amostra do que foi publicado, desconhecem em absoluto.»


Eu continuo a achar que não foi um bom negócio por parte do Benfica.  Diria até que houve alguma falta de visão. 
Claro que se pode afirmar que um jogador que mal tinha calçado na equipa principal,  ser vendido por quase 16M€ é excelente, mas não... este Bernardo, nesta equipa de Rui Vitória seria um estrondo! JJ foi negligente com ele, aliás, como foi com a maior parte dos outros jovens! A verdade é que o jogador no futuro podia render bem mais!
Isto para não falar no seu benfiquismo, já testemunhado por diversos colegas! Isso é raro e é algo que se precisa! 
Cada vez que o vejo a jogar parte me o coração... o Benfica nunca vai ter capacidade para o trazer de volta, a não ser quando o jogador estiver para arrumar as botas, daqui a muitos anos!

Um comentário:

  1. A cessão de créditos futuros, enquanto modalidade da cessão de créditos, está regida no artigo 577.º do Código Civil e seguintes, onde consta que o credor pode ceder a terceiro uma parte, ou a totalidade do crédito, independentemente do consentimento do devedor, contanto que a cessão não seja interdita por determinação da lei ou convenção das partes e o crédito não esteja, pela própria natureza da prestação, ligado à pessoa do credor.

    Alguem avise o Benfica Eagle, pra ver se ele deixa de pensar q os outros comem gelados com a testa !

    Zé Moina

    ResponderExcluir