terça-feira, 12 de agosto de 2014

Supertaça Cândido de Oliveira: A 5ª já cá canta

Antes demais, desculpem-me só escrever agora, mas só agora é que arranjei um tempinho.

Domingo conquistamos mais um troféu diante do Rio Ave. Não posso deixar de destacar que esta Supertaça é o 4º título nacional conquistado pelo Benfica em 2014. Ano para recordar sem dúvida.

Quanto ao jogo, um Benfica, que como eu e todas as outras pessoas que realmente sabem um pouco de bola sabiam, entrou muito forte. A questão da pré-época é insignificante, os jogos disputados foram mais para desenvolver a questão física (quem não concorda que olhe bem para o calendário e os adversários que o Benfica enfrentou.
Os processos parecem bem assimilados, e se repararmos bem, o fosso (em termos de jogadores) em relação à época passada foi insignificante. Apenas 2 jogadores se estriaram  com o manto sagrado. Foram eles Eliseu, que se exibiu a excelente nível e Talisca que na 1ª parte esteve bem.

A questão de Talisca é interessante. Para mim não foi surpresa nenhuma vê-lo aparecer a jogar em terrenos mais adiantados. Recordo que Talisca jogou no apoio ao ponta-de-lança.
Já tinha dito aqui que Talisca não é um box-to-box. JJ pode trabalhá-lo para desempenhar essas funções mas por enquanto ainda não tem o que é preciso para ocupar essa posição.
Se olharmos bem às características do jogador, Talisca é bom para aparecer mais à frente. Com a facilidade e qualidade de remate que tem, pode ser útil para as segundas bolas à entrada da área e assim. Esteve bem durante a 1ª parte, a bom ritmo, só esteve mesmo mal na finalização. Na 2ª parte quebrou completamente.

Tenho que destacar, obviamente, os regressos de Luisão, Jardel e Enzo. Que diferença que foi!!
Na defesa acabaram as brincadeiras. O comandante chegou e mandou. Jardel esteve muito bem também.
No meio-campo, ouve outro gás. Enzo trouxe velocidade, equilíbrio e tranquilidade. Espero mesmo que não saia para já, porque faz lá muita falta.


Gostei de ver o Benfica. Muito pressionante e com velocidade. De facto, a única coisa má a apontar foi a eficácia. Por causa da falta da mesma, o jogo apenas foi decidido nos penaltis, algo que não era necessário. Concordo com o JJ, quando disse que entre as 3 finais disputadas diante do Rio Ave, esta foi a mais desnivelada a nosso favor.

Salvio esteve bem, a desequilibrar muito, Gaitán voltou a aparecer muitas vezes no meio.

Lima não esteve bem e Derley também não trouxe nada de novo.

Sem dúvida que a pontaria é algo a afinar mas acho que estamos prontos para o que aí vem.

 
Em relação a Artur, voltou a meter água no decorrer do jogo mas nos penaltis acabou por ser herói, defendendo 3. Acho que o problema dele é falta de confiança. A falta de jogo de pés é relativa e um guarda-redes que faz o que ele fez na 1ª época, não pode perder todas as suas virtudes de um momento para o outro. Deixa-me muito reticente a sua situação...

Entretanto, está na hora de ir ver a 2ª parte da Supertaça Europeia.

P.S: Não consigo deixar de pensar que hoje deveríamos estar a assistir a um Benfica-Real Madrid e não a um Sevilla-Real Madrid, caso em Maio a justiça tivesse sido feita. Não foi infelizmente... Enfim...

Um comentário:

  1. "Apenas 2 jogadores se estriaram" é "estrearam".
    "No meio-campo, ouve outro gás" é "houve".

    ResponderExcluir